Posts Tagged ‘ Dead Space 3 ’

Tomb Raider, Hitman, Origin com promoções

Podem ir buscar Battlefield 3, Need for Speed Most Wanted, Dead Space 3, Tomb Raider, Hitman, entre outros títulos.

promoçõescentrodosgamesbrOrigin

Como parte de uma venda em curso, a EA baixou o preço de vários títulos para download na Origin, oferecendo até 50 por cento fora dos lançamentos recentes, como Tomb Raider e Hitman: Absolution.

Até 30 de abril, os usuários origem pode pegar uma cópia digital de Tomb Raider por US $ 25, ou por apenas alguns dólares a mais que eles possam prender o DLC-empacotado Survival Edition. Hitman: Absolution está atualmente custa R $ 20, e uma seleção de jogos com desconto EA-publicados (incluindo Dead Space 3 e Crysis 3) também está em disputa. A lista completa dos jogos em destaque está aqui.

Jogadores na Europa também pode entrar em ação, como Square Enix relata queda de preços regionais para Tomb Raider, Hitman e edição limitada de Sleeping Dogs.

Anúncios

Dead Space 3 Review

imagem1o Bom

  • Sistema excelente arma elaboração adiciona flexibilidade para combater
  • Excelente sentido de atmosfera
  • Grande quantidade de variedade ambiental
  • Co-op faz uma abordagem divertida alternativa para a campanha.

o Mau

  • História complicada
  • Alguns trechos maçante e repetitiva
  • Não remotamente assustador ou inovador

Dead Space 3 é o mais recente capítulo da franquia considerada a mais aterrorizante desta geração. Pela primeira vez o game conta com um modo multiplayer cooperativo e um enredo bem mais interessante que o dos últimos jogos.

Menos assombrações e mais realidade

imagem5Os Necromorphs também perderam sua vantagem. Uma vez que o manteve na ponta da cadeira com seus skitterings fundo ameaçadores e ataques súbitos de choque. Enquanto Necromorphs Dead Space 3 ainda pode fazer adversários desafiadores, eles raramente provocar arrepios na espinha. Assim como os mutantes zumbis de Resident Evil 4 e 5, eles cresceram menos ameaçador com sobre-exposição.

Em Dead Space 3 muita coisa mudou. A começar pelo contato visual com os personagens, fator que cresceu ao longo da franquia, eliminando de vez o clima de solidão de Isaac e introduzindo mais convívio com outros humanos. A maior prova disso é a inclusão de John Carver – personagem que serve como desculpa para acrescentar o modo cooperativo no game.

A história principal gira em torno do protagonista que, depois de sobreviver ao “acidente” com a estação espacial Sprawl, acaba no planeta gelado Tau Volantis. Lá, descobre um outro sobrevivente – Carver,- que vai lhe ajudar a desvendar os mistérios por trás de artefatos conhecidos como Markers, que transformam as pessoas em Necromorphs – as criaturas do jogo.

Na campanha principal, Carver é um mero coadjuvante que surge em determinados momentos, contrariando aqueles que achavam que o game seria uma espécie de Army of Two do futuro. Já o modo cooperativo agrada e serve para inserir alguns diálogos a mais, o que pode soar estranho para quem viveu dois títulos “forever alone” com Isaac.

Pegadinha do ambiente externo

Depois de inúmeros vídeos de divulgação mostrando um ambiente aberto e tomado pelo gelo, muitos fãs torceram o nariz achando que a franquia poderia muda o rumo e perder o seu principal atrativo: o clima de tensão. Temia-se a ambientação escura repleta de salas e corredores apertados que acabaria “morrendo” nesta nova versão.

Mas como uma boa “pegadinha”, Dead Space 3 deixa essa novidade para depois da metade do game, ou seja, durante cerca de 5 horas, os jogadores ainda terão que percorrer ambientes mal iluminados e repletos de criaturas que surgem a qualquer momento – proporcionando aquele susto monumental.

imagem2

A Visceral Games soube conduzir as rédeas e o resultado da experiência de mundo aberto é agradável e revigorante. O jogador passa a vivenciar a história de Isaac de uma nova maneira, com a impressão de estar em outro – ótimo – jogo. Mas não respire aliviado achando que os sustos sumiram, pois agora as criaturas surgem da neve ou do meio de uma nevasca. Essa mesma tempestade acaba sendo a “escuridão” desse ambiente externo, já que é muito difícil enxergar o mundo ao seu redor.

Porém, também há momentos particulares e inovadores. Se os corredores apertados tornam o game bem linear, no momento em que o personagem cruza o ambiente externo, é possível encarar pequenos trechos, como cavernas e trilhas mais curtas. Elas quase sempre resultam em itens espalhados pelo chão e encontro com mais criaturas. Mas nada que faça o jogador se desesperar sem saber por onde ir.

Campanha e modo cooperativo

O começo da campanha mostra a história dos acontecimentos principais do jogo. Antes mesmo de começar a controlar Isaac, você é apresentado a uma prévia do que será se aventurar no mundo aberto – mesmo que esta experiência não esteja disponível em boa parte do jogo. Depois, Dead Space volta a ser como antes, mostrando uma trama envolvente em bases abandonadas – a característica principal da franquia.

imagem3

Os puzzles também estão de volta, mas sem a mesma dificuldade dos títulos anteriores. É possível notar também que, embora o game esteja cada vez mais difícil se tratando do combate contra inimigos, os quebra-cabeças foram ficando cada vez mais simples e pouco atrativos. Em determinados momentos, chega a ser ridículamente simples solucioná-los.

O que agrada mesmo é a forma com que tudo é construído no jogo. Quando você começa a achar o game monótono, uma série de eventos faz surgir Necromorphs por toda parte, ou então, entra uma cena em que é preciso acertar os comandos para sobreviver. Desse jeito, mesmo que seja rotineira a forma com que os objetivos são determinados, há sempre uma mudança significativa no cumprimento das tarefas.

Mira eficiente e esquiva falha

Em comparação com os outros títulos, a jogabilidade de Dead Space 3 permanece praticamente a mesma. Ainda é possível usar e abusar da telecinese para arremessar objetos como uma espécie de arma, ou congelar seus inimigos quando aglomerados, utilizando o Stasis Pack. Mantém-se assim as características do sistema de combate da franquia, que oferece outros recursos para atacar seus inimigos quando sua munição acaba.

O grande fiasco fica por conta do sistema de esquiva, que acaba decepcionando. Isso porque, na grande maioria das vezes, Isaac pode executar o movimento e se livrar de um momento de aperto, porém ele ainda sofre o dano do golpe. A única – e pequena – vantagem é que assim você evita que o personagem fique atordoado e pode contra atacar.

O sistema de mira também continua um pouco confuso. Algumas armas ainda demoraram muito para serem recarregadas e não possuem tanta precisão. Entretanto, a medida em que elas são evoluídas, isso muda um pouco e torna-se mais fácil acertar um determinado alvo.

Visual de outro mundo

O visual de Dead Space 3 continua sendo um dos grandes atrativos do game. Se nos outros capítulos a ambientação era limitada a salas mal iluminadas e poucos momentos vagando pelo espaço sideral, agora é possível notar uma variedade maior de cenários. A novidade fica por conta da cruzada em meio a neve e alguns pequenos trechos, como a introdução do game, que mostra a casa e a cidade natal de Isaac.

A forma com que o game apresenta o clima sombrio também deve-se muito ao belo efeito de sombra e luz do jogo. Nos momentos de muito breu, apenas a sua arma é a fonte de iluminação do local. E sem ela, encontrar seus inimigos é uma tarefa mais que árdua.

E falando em inimigos, há uma variedade considerável de Necromorphs e outras criaturas prontas para atacar Isaac. Porém, a sensação é que faltaram mais inimigos de destaque, como por exemplo, chefes e outros monstros gigantescos. Não faltam, porém, coadjuvantes na trama, que aparecem em número exagerado e, muitos, sem uma explicação convincente para seu surgimento na história.

Sistema de evolução de armas

Anunciado com um grande alarde, o sistema de personalização e evolução de armas divide opiniões. Primeiro é preciso elogiar o quanto é viciante percorrer corredores atrás de simples peças que podem ajudar a aprimorar seu armamento. Em Dead Space 3 é possível até montar uma “dupla arma”, ou seja, você pode, por exemplo, fatiar seus inimigos com a Line Gun, e com um outro botão, explodir tudo pela frente com uma Grenade Launcher.

Mas como nem tudo são flores, há também motivos para repudiar esse sistema. Primeiro é a demora para evoluir tanto as armas quanto a sua armadura. Depois de muitas horas de jogo e centena de itens coletados, você finalmente poderá construir algo eficiente o bastante para sobreviver no game. Ou então, optar pelo polêmico sistema de transação.

Em Dead Space 3, é possível comprar a sua arma com dinheiro de verdade. As redes onlines e suas lojas virtuais vendem kits que ajudam a evoluir seu armamento de uma forma mais rápida. Sendo assim, enquanto alguns sofrem no jogo em busca de uma evolução satisfatória, outros investem uma graninha e se tornam verdadeiros Rambos do espaço. Porém, não há uma obrigatoriedade do game que force o jogador a comprar alguma coisa. A decisão parte de cada um.

imagem4

Conclusão

A pior coisa sobre Dead Space 3 é que, enquanto ele compartilha uma história e uma estética com seus antecessores, ele realmente não se parece com um jogo Dead Space. Ir além disso, no entanto, e é um jogo de ação liso, bonito e muito divertido de ficção científica, com algumas interessantes mecânica de jogo co-op fantástico. Seria uma vergonha se survival horror visceral abandonada neste momento, e Dead Space 2 é facilmente o melhor dos três jogos, mas se você pode suportar a mudança para grandes armas e da violência, Dead Space 3 ainda oferece um bom jogo e demorado.

DLC de Dead Space 3 Anunciado

https://i2.wp.com/i48.tinypic.com/2yo1g1l.jpg

Dead Space 3 acaba de sair, mas já os fãs podem esperar mais do jogo graças a DLC anunciado recentemente.

EA diz que em Março fãs podem esperar o pacote DLC Desperto. A empresa é a luz em detalhes no momento, mas diz que “os jogadores irão experimentar mais sombrios capítulos da franquia, como as batalhas Necromorphs se tornar ainda mais horrível e assustadora do que nunca.”

Despertos estará disponível no Origin para PC e PS3 por US $ 9,99 e na Xbox 360 por 800 Microsoft Points.

Microsoft EUA loja dando 1.600 MS points para pré-encomendas on GTA 5, Infinite BioShock, Revengeance e mais

A Microsoft está fazendo para seus míseros presentes de aniversário 17p com uma oferta pessoas provavelmente se preocupam. Na loja online da Microsoft EUA está dando 1.600 MS points para pré-encomendas em vários jogos futuros.

Estes não são o lixo típico que você precisa para fixar vouchers para a fim de vender, mas sim jogos altamente antecipados que as pessoas provavelmente gastar o dólar superior em qualquer maneira. Jogos como: Grand Theft Auto 5, BioShock Infinite, Tomb Raider, Metal Gear Rising: Revengeance, Dead Space 3, Crysis 3, Army of Two: Cartel do Diabo, Lost Planet 3, South Park: A Vara da Verdade, e Tiger Woods PGA Tour 14.

A oferta é válida até 06 de abril e não há um limite de três por cliente.

Infelizmente, este negócio parece ser exclusiva para os EUA e Canadá, mas com alguma sorte ele vai vir para o Reino Unido. Algo para se manter um olho em, pelo menos.

Dead Space 3 irá reconhecer gritos e sustos dos jogadores no Kinect

 

Quem já jogou algum game da série Dead Space sabe como é comum levar sustos durante as sessões de jogatina. São monstros saltando da parede, alucinações que desaparecem de repente e muitos outros efeitos capazes de deixar os nervos de qualquer um à flor da pele.

Em uma entrevista ao site CVG, o produtor executivo de Dead Space 3, Steve Papoutsis, comentou que para aproveitar o clima tenso do jogo, a versão do título para o Xbox 360 irá reconhecer gritos e palavrões utilizados pelos jogadores em momentos de tensão.

“Há comandos específicos no jogo em que, em determinadas situações, quando o jogador berrar algumas palavras específicas o game irá se comportar de maneiras diferentes”. Apesar de Papoutsis não revelar exatamente o que poderá acontecer, isso não deve permanecer um segredo muito tempo. Além disso, é interessante notar como é possível integrar a reação dos jogadores à mecânica de jogo.

Durante a entrevista, o produtor executivo também comentou sobre as dificuldades de adicionar novos personagens a uma franquia já estabelecida, assim como os problemas encontrados na hora de atrair jogadores que não estão acostumados com o gênero. “Houve casos de pessoas que pausaram o jogo e fugiram do joystick, pois o jogo era demais para elas. Quando isso acontece, é bem triste” relatou.

Dead Space 3

Terror a dois

O que é preciso para fazer um bom jogo de terror? Embora não haja uma fórmula exata para criar a atmosfera ideal, a Visceral Games e a Electronic Arts parecem ter encontrado o caminho do sucesso com a série Dead Space. Os dois primeiros jogos mostraram que é possível criar um clima tenso sem deixar a ação de lado, dando vida a uma das franquias mais assustadoras desta geração. Mas será que essa experiência vai se repetir?

Quando Dead Space 3 foi anunciado, muita gente torceu o nariz ao ver que um modo cooperativo havia sido adicionado à campanha. Afinal, como o terror que nos conquistou nos dois últimos títulos iria se repetir com alguém ao nosso lado? Por mais que tentássemos ser otimistas, a adição de um companheiro ressuscitou o fantasma de Resident Evil e sua “evolução” de Survival Horror para um shooter. Mas será que a saga de Isaac Clarke vai ser pelo mesmo caminho?

Img_normal

Mais que um “AAA”

Se esse é seu medo com Dead Space 3, o produtor do game garante que não há o que temer. Segundo Steve Papoutsis, a ideia de reformular a série com a adição do multiplayer na campanha principal não vai alterar aquilo que fez da franquia um enorme sucesso. Na verdade, ele garante que isso vai apenas engrandecer e melhorar aquele universo ainda mais, quebrando as barreiras dos blockbusters atuais. Tanto que a própria desenvolvedora já considera um título um “AAAA”, ou seja, um projeto ambicioso e muito maior do que aqueles que eles fizeram até agora.

Para isso, no entanto, foi preciso traçar uma linha bem definida sobre o que poderia ser alterado e quais características deveriam permanecer imutáveis com a adição desse segundo personagem. Ainda que a Visceral afirme não trabalhar com estereótipos de gêneros, como terror e ação, Papoutsis garante que todas as peças usadas para construir a série Dead Space continuam incólumes.

Img_normal
Isso faz com que o estúdio não se apegue a características de um tipo específico de jogo, mas àquilo que é necessário para criar uma boa sequência. Como aponta o produtor, o segredo está exatamente naquilo que todos os fãs adoram e presenciaram nos títulos anteriores: a atmosfera intensa e pesada, uma narrativa abrangente e uma dose de ação empolgante — tudo isso temperado com doses exageradas de terror, tensão e luta por sobrevivência.

Em Dead Space 3, contudo, teremos uma pequena diferença nessa equação. Somado a tudo isso, a Visceral preparou um multiplayer cooperativo que muita gente acredita não combinar com o clima pesado que a trama da série apresenta. Afinal, como manter a mesma essência quando o foco na solidão e no desamparo pode simplesmente sumir?

Marcas de guerra

Faltando pouco menos de três meses para o lançamento do game, não é segredo para ninguém que a grande novidade é a estreia de John Carver, um ex-soldado do governo da Terra que se alia a Isaac Clarke na luta contra os Unitologistas após sua família ter sido morta por Necromorphs.

Img_normal
O ponto é que, como Papoutsis aponta, o personagem é muito mais do que apenas um companheiro para Isaac. Mais do que simplesmente ajudá-lo a combater os “zumbis do espaço”, ele possui seus próprios dilemas e demônios interiores. Desde o princípio, ele foi construído como alguém complexo e com uma importância enorme para toda a trama — tanto que sua personalidade está sendo trabalhada em outras mídias, como nas histórias em quadrinhos.

Mas o grande segredo da produtora para fazer com que um modo cooperativo faça sentido dentro da proposta da série é colocar esse segundo personagem como a origem de algumas das situações assustadoras que os jogadores vão encontrar. Para isso, a Visceral preparou experiências diferentes dependendo de quantas pessoas estão participando da história.

Img_normal
Caso você seja alguém que prefere seguir sua jornada sem ninguém ao seu lado, saiba que a boa e velha atmosfera claustrofóbica dos jogos anteriores estará de volta, sem nenhuma grande alteração em sua essência. As situações de tensão com base na solidão voltam a se repetir e os fãs conservadores não terão do que reclamar.

Por outro lado, as coisas mudam consideravelmente de figura quando Carver entra em cena. Não que isso signifique que o medo dará lugar à ação desenfreada, mas o modo cooperativo oferece um tipo diferente de experiência que somente quem estiver ao lado de um amigo vai poder experimentar.

Mente alucinada, perigo real

Ver sua mulher e seu filho serem mortos por Necromorphs não foi a única tragédia na vida do soldado. Juntamente com tudo isso, ele ainda teve a infelicidade de entrar em contato com o Marker, o que faz com que ele carregue uma série de consequências por toda a sua vida — principalmente psiquiátricas.

Img_normal
A principal delas, como já vimos nos jogos anteriores, é a alucinação. Isso faz com que sua mente crie grandes armadilhas ao longo de todo o jogo, gerando situações que somente quem avançar pelo modo cooperativo vai viver. Segundo Papoutsis, o multiplayer consegue expandir a história e inserir sequências não existentes no single player. Isso não significa, porém, que quem for jogar sozinho vai ser prejudicado, já que o desenvolvimento da história e seu final são os mesmos para todos. O que muda é o que acontece no meio dessa jornada.

Tudo isso porque as alucinações de Carver têm um peso muito grande dentro da jogabilidade. Quem estiver controlando-o vai se deparar com cenas e inimigos que não aparecerão na tela de Isaac, criando experiências diferenciadas.

Em uma demonstração testada pelo site VG24/7, os jogadores se depararam com uma sala aparentemente vazia. No entanto, para o soldado, o local reservava a aparição de bonecas fantasmagóricas que se comportam como uma versão macabra de seu filho morto. É claro que ele não reage bem a isso e começa a disparar contra as criaturas — tudo isso enquanto quem está comandando Isaac fica sem entender o que está acontecendo.

Img_normal
O maior problema é que as alucinações não têm hora para chegar, podendo afetar o personagem a qualquer momento, incluindo naqueles em que ele precisa estar atento ao seu redor. Em determinado ponto, por exemplo, Clarke precisa enfrentar um grupo de Necromorphs enquanto Carver tenta lutar por sua própria sanidade.

Para Papoutsis, é isso que faz com que o modo cooperativo de Dead Space 3 seja tão diferente do que outros títulos fazem. Em vez de ampliar a ação, ele serve para deixar a agonia da incerteza ainda maior, criando uma variação da atmosfera que vimos nos jogos anteriores. Embora ainda seja muito cedo para fazer qualquer afirmação sobre a qualidade do game, a solução encontrada pela Visceral é promissora e pode reinventar a forma com que a jogatina cooperativa interfere na experiência.

No limite

Como se não bastasse diminuir as dúvidas dos fãs, o estúdio ainda promete trazer algo ainda mais grandioso que seus antecessores e outros jogos. Para dar conta de tudo isso, o produtor garante que teremos uma trama extensa e voltada exatamente para fazer com que o jogador tenha vontade de revisitar aquele mundo mesmo após ter finalizado o modo single player. De acordo com Papoutsis, será a campanha mais longa de toda a série.

Ele também garante que os jogadores não terão do que reclamar da parte visual, tanto que, segundo ele, uma das metas da equipe de desenvolvimento é fazer com que Dead Space 3 seja lembrado como um dos títulos que levou os consoles ao limite.

Fonte: VG24/7GamespotNeoGAFPlayStation Blog

A Closer Look At Alimentadores 3 Dead Space

Os alimentadores são um tipo de Necromorphs que são criados quando um ser humano come a carne corrompida de um Necromorphs mortos. Os antigos colonos de Tau Volantis foram isolados por tanto tempo que acabam por recorrer a esta forma doente de canibalismo e lentamente se transformou em alimentadores. Obter uma olhada nesses inimigos únicos nesta galeria exclusiva tela.

Os alimentadores que habitam a Estação de Caminho ter sido preso no escuro por tanto tempo que as luzes brilhantes machucar seus olhos. Eles navegam através do som e ataque em ondas quando assustado. Isaac tem algumas opções quando se aproxima um ninho de alimentadores. Se ele tiver recursos suficientes, ele pode tentar cabeça primeira carga em seus números e espero sair na frente quando a fumaça se dissipa, ou ele pode tentar esgueirar-se por, mesmo jogando objetos pela sala para levar uma alimentação fora de seu perfume. Um jogador inteligente vai escopo o ambiente e coloque algumas armadilhas antes que ele escolhe uma luta com um alimentador, uma vez enfurecidos porque alimentadores enviar uma chamada para a sua ninhada inteira e as hordas vem em streaming através de cada porta, respiro, e rale na quarto.continue acessando o site centro dos games BR para ter mais informações sobre Dead Space 3

Obtenha um vislumbre de como alimentadores atacar na galeria de tela abaixo.