LittleBigPlanet 2 Análise

Inovando o revolucionário

A fórmula “Jogue, crie e compartilhe” apresentada no primeiro LittleBigPlanet pegou todos de surpresa. Apesar da roupagem quase infantil adotada pelos Sackboys, o game conquistou milhões de fãs pelo mundo inteiro, principalmente por dar asas à imaginação e permitir que os jogadores criassem suas próprias fases e da maneira que quisessem.
O resultado foi assombroso. A possibilidade de dividir suas obras com outros jogadores fez com que surgisse uma comunidade online com vários níveis customizados em que, como já previra a apresentação inicial do jogo, “os sonhos se tornam reais”. Com tanta criatividade sendo explorada, o que podíamos esperar de uma sequência?
O anúncio de LittleBigPlanet 2 fez com que muita gente ficasse com pé atrás em relação à validade dessa continuação. Como no original era possível criar praticamente tudo, que novidades a Media Molecule poderia nos apresentar? Como inovar algo que já é inovador?
A resposta não poderia ser mais óbvia: expandindo tudo aquilo que já conhecemos. Se achávamos que o primeiro game permitia criar qualquer coisa, a nova aventura dos bonecos de pano vai além e nos faz realmente achar que somos programadores. Todo o universo está em nossas mãos.
Um mundo muito mais amplo
LittleBigPlanet 2 traz poucos recursos realmente inéditos. Entretanto, o que poderia ser um ponto negativo se mostra como algo muito mais vantajoso, já que não preocupa o usuário com tantos elementos novos. Tudo o que o jogo faz é tornar as ferramentas já existentes muito mais versáteis e variadas.
Isso não significa que não há nada exclusivo. Desde os novos acessórios, como o “Gancho Fixante” e o “Criacionista”, aos badalados Sackbots, todas as inserções oferecem uma jogabilidade completamente diferenciada. Por mais que essa sequência esteja muito parecida com seu antecessor, em nenhum momento há a sensação de que você já viu aquilo antes.

Como não poderia deixar de ser, essa ampliação de possibilidades oferecida pelos métodos de criação fez com que a já extensa comunidade online ficasse ainda mais diversificada. Se antes tínhamos fases com designs criativos e divertidos, agora temos verdadeiras produções. O que dizer de jogar o clássico Mario Bros. em 8 bits ou de disputar uma corrida de Fórmula 1 dentro de LittleBigPlanet? Pois tudo agora é possível.
É claro que isso não impede que alguns erros aconteçam – ou pior, se repitam –, como a campanha curta e a quantidade absurda de tutoriais que pode desanimar os jogadores menos empenhados. No entanto, ainda assim, a nova viagem a esse mundo de possibilidades se mostra tão tentadora e intensa quanto da primeira vez.
Aprovado

Todos os jogos em um

É impossível falar de LittleBigPlanet 2 sem citar a expansão que o modo de criação recebeu. Se você já perdeu horas desenhando sua própria fase antes, saiba que dessa vez você vai se sentir um verdadeiro designer de jogos e pronto para criar qualquer coisa.
Img_normal
Quem acompanhou os trailers e demais vídeos de divulgação já deve ter percebido que a maior arma adotada pela Media Molecule neste game é possibilidade de criar níveis em qualquer gênero. Tudo aquilo que você imaginar pode ser construído.
O que parecia ser papo de marketing para vender o jogo – como muitos imaginavam antes do lançamento – se mostrou como algo realmente inovador. Em outras palavras, você pode criar estágios de praticamente qualquer estilo.
Img_normal
O primeiro LittleBigPlanet, apesar de trazer uma proposta genial, era limitado por só permitir que as fases fossem de plataforma. Por mais que você quisesse inovar no desenho e nos desafios encontrados, tudo se resumia em avançar e retornar pela fase, sem grandes variações. Nesta sequência, por outro lado, você tem total liberdade para assumir novas perspectivas.
Exemplos disso não faltam. A própria desenvolvedora afirmou que tudo o que vemos no modo campanha foi criado a partir dos elementos oferecidos no próprio jogo. Além disso, a comunidade online colabora para explorar ainda mais esses recursos. São alternativas ao sidescroll básico e que transformam a visão clássica em shooters ou em gêneros completamente inusitados. Basta entrar no mundo que recria uma corrida de Mônaco (com direito a escuderias e visão aérea) para ter ideia do quão potente são as ferramentas ofertadas pela Media Molecule.

A adição do modo versus faz com que diversidade entre as fases fique ainda maior. Com isso, em vez da já conhecida cooperação entre Sackboys, vemos os pequenos bonecos lutarem entre si pela maior conquista de pontos. Para imaginar o que essa inovação pode fazer, até mesmo um nível de luta com o visual de Street Fighter já foi criado – e que é absurdamente divertido e engraçado de se jogar.
Outra novidade em LittleBigPlanet 2 é que os estágios criados por usuários podem ser jogados por personagens diferentes dos heróis de pano. Embora estejamos falando de máquinas – que serão devidamente comentadas adiante –, o pequeno truque utilizado para fazê-lo controlar Mario ou Link é uma experiência que somente nesta sequência é possível viver.
Amigos robóticos
Se você jogou o título anterior, deve se lembrar de que os personagens não jogáveis eram, na verdade, adesivos ou peças do próprio cenário e que não interagiam em nada com seu Sackboy. Apesar de funcionar como um recurso estilístico que se encaixava na proposta do título, não era o suficiente para sustentar a narrativa de forma convincente.
Img_normal
Nesta nova aventura, isso é corrigido com a chegada dos Sackbots. Apresentados em vários trailers, eles são as grandes estrelas de LittleBigPlanet 2. Embora apareçam oficialmente apenas a partir da metade do game, esses pequenos estreantes são os responsáveis pela chegada dos NPCs ao Sackmundo.
No modo história, os robôs dão vida a personagens como Larry Da Vinci e Avalon Centrífugo, que além dar novo fôlego ao enredo, também ajudam a vencer certos obstáculos em vários momentos. No entanto, é na hora de criar que vemos o verdadeiro potencial da novidade.
O uso dos Sackbots dentro de sua fase depende unicamente de sua imaginação. Você pode desde fazê-lo seguir seu personagem ou montar guarda em um ponto para atrapalhar o avanço dos jogadores. Além disso, é possível fazer com que eles sejam NPCs que tenham algo importante a contar aos aventureiros ou simplesmente para embelezar os cenários.

Um exemplo bastante prático da versatilidade dos Sackbots dentro do universo de LittleBigPlanet 2 é a recriação de Dead Rising 2 existente na comunidade online. O nível traz vários de robôs correndo desesperados pelo ambiente caótico enquanto outros agem como zumbis e partem para devorar os cérebros de pano dos Sackboys.
Adicione a isso a criação de pequenos filmes e você terá uma grande produção. Com a possibilidade de gerar suas próprias animações, o que era para ser apenas uma fase pode ficar com cara de um jogo completo e com a profundidade que você sempre quis.
As “filmagens” são uma variação do sistema de câmeras e zooms já existentes no primeiro LittleBigPlanet, com a diferença de que toda a ação é gravada e reproduzida no momento ordenado. A liberdade é tanta que é possível alternar até mesmo os planos para dar mais intensidade à sequência.
Itens para variar a jogabilidade
Por mais que tenhamos uma expansão significativa nas ferramentas de criação, é preciso também oferecer novos desafios aos jogadores, que querem explorar ao máximo o modo história. Como simplesmente redesenhar as fases para oferecer novos desafios parece não ser o suficiente para a Media Molecule, a solução foi adicionar novos acessórios para oferecer uma jogabilidade diferenciada em relação ao jogo anterior.
Img_normal
Ao todo, são três itens: o “Gancho Fixante”, utilizado para alcançar locais altos e para se pendurar em extremidades; o “Agarrador”, um par de luvas que permite carregar objetos e outros jogadores; e o “Criacionista”, um capacete de dispara qualquer coisa – desde água a vacas, variando de acordo com o que é definido.
Por mais que pareçam adições banais, o estúdio conseguiu fazer com que essas três novas ferramentas – em conjunto com a plataforma de salto – criassem diversas situações que até então não tinham sido vistas. Em alguns estágios, por exemplo, é preciso usar gancho para pular de ponto em ponto como o Homem-Aranha, enquanto em outros é preciso arremessar bombas na garganta de um chefe com as poderosas luvas.
Essa renovação no modo de jogo também é percebida quando há mais de um jogador na tela. Pense no caos que acontece quando quatro Sackboys tentam usar seus ganchos e acabam se prendendo um ao outro, criando um enorme emaranhado voador. Ao mesmo tempo em que você se irrita com seus colegas, se diverte com a cena nonsense que se (des)enrola à sua frente.
Img_normal
Outra inovação são as máquinas, que funcionam como uma espécie de veículo estilizado. No modo campanha, por exemplo, elas aparecem como animais que você controla e que possuem poderes diferenciados que o ajudam a vencer obstáculos. Os estilos são bastante variados e vão desde abelha-shooters a uma fase em que você monta em uma lagarta e deve escalar uma parede.
Essas “inovações tecnológicas” de LittleBigPlanet podem receber o visual que o jogador desejar durante a criação de fases. É dessa forma que usuários mais pacientes e criativos conseguiram dar vida a Mario e Link em níveis cujos temas eram games da Nintendo. No caso de The Legend of Zelda, por exemplo, podemos ver claramente nosso Sackboy entrar na réplica do herói de Hyrule.
Reaproveitando material
Img_normalSe você é um maníaco por personalização e ficou desesperado ao imaginar o que aconteceria com a tonelada de conteúdo que você comprou na PSN para estilizar seu personagem, fique tranquilo: LittleBigPlanet 2 exporta todos os seus dados do primeiro game. Todos os itens e demais informações do título anterior existentes em seu PlayStation 3 são automaticamente reaproveitados no novo jogo.
Isso é algo bastante positivo, já que nada do que você criou anteriormente é desperdiçado. O Sackboy já surge com a aparência que tinha na aventura anterior e tudo aquilo que fora coletado. Em outras palavras, você retorna ao Sackmundo munido de muitos objetos e acessórios para ampliar a criação de fases – o que dá ao jogo um ar muito mais de expansão do que de uma sequência propriamente dita.
Quem também volta a aparecer são os níveis criados no primeiro game. Desde os esboços existentes em “Minha Lua” aos níveis já publicados online, tudo pode ser acessado em LittleBigPlanet 2. No entanto, isso faz com que surja a necessidade de diferenciar as produções entre os dois títulos, o que é feito com um pequeno ícone ao lado do emblema da fase. Além disso, há também a possibilidade de filtrar para que você visualize apenas os estágios desenhados no game definido.
Pequenas melhorias
Além de toda a evolução do sistema de criação e das novidades implementadas, LittleBigPlanet 2 traz várias melhorias em relação ao seu antecessor. São pequenos pontos que, à primeira vista, não chamam tanto a atenção, mas bastam alguns minutos de jogo para perceber sua importância.
Img_normal
Um exemplo disso é a aparência do game, que está muito mais bonita. Ainda que não tenhamos uma renovação gráfica, o aspecto visual do Sackmundo foi aprimorado. A iluminação dos ambientes, por exemplo, colabora para dar mais vida ao cenário e aos materiais, o que faz com que tenhamos uma aventura que consegue encher nossos olhos muito mais do que no jogo anterior. Isso sem falar do design das fases, que está muito mais complexo e variado.
Quem também recebeu uma nova roupagem foi o sistema de chat em partidas online. Agora as falas dos jogadores ficam listadas no canto da tela, permitindo que você retorne algumas linhas de conversa para acompanhar alguma frase ou piada perdida. No entanto, os clássicos balões de fala continuam.
Img_normal
A mais significativa das alterações ficou no modo de criação, mais especificamente na área de tutoriais. Se você não tinha paciência para encontrar todos os guias no primeiro LittleBigPlanet, agora tudo é listado para facilitar o acesso às informações básicas e avançadas desse modo.
Além de concentrar tudo em um só lugar, essa nova organização também pode ser acessada a qualquer momento. Por mais que você tenha assistido às mais de 50 aulas, você pode voltar a qualquer momento para relembrar a maneira correta de adicionar um item ou de calibrar seu Sackbot.
Para quem quer ir logo para a ação, agora também é permitido pular toda a etapa de preparação e ir direto à criação. Com a opção “Desbloquear os tutoriais”, todas as ferramentas que você recebe ao conferir cada um dos passo a passo são habilitados, apesar de isso não ser recomendado caso você queira aproveitar ao máximo o que LittleBigPlanet 2 tem a oferecer.

 
Reprovado
 
Qual a utilidade do Move?
Se você possui um PlayStation Move, é inegável a euforia que surge ao vermos o selo de compatibilidade que o game possui com o acessório. Depois de tantos jogos casuais – e alguns de qualidade duvidosa –, eis que um título de peso vai utilizar todo o potencial do sensor de movimento.
Img_normal
Ledo engano. Por mais que a caixa nos diga que LittleBigPlanet 2 possui suporte ao periférico, isso não é verdade. Em nenhum momento da aventura ou do modo de criação é permitido utilizá-lo, o que é algo bastante decepcionante.
O que acontece é que LittleBigPlanet 2 traz em seu disco uma área de extras com vários vídeos e alguns conteúdos adicionais. Além de alguns trailers e tutoriais, há o instalador do “Sackboy Prehistoric Moves”, um jogo adicional que necessita do Move para que o jogador consiga avançar.
O problema é que essa aventura pré-histórica não é LBP2. Quem acompanha as atualizações semanais da PSN sabe que o pacote foi disponibilizado já há algum tempo na rede online para que qualquer proprietário do sensor de movimento aproveitasse a compatibilidade. Além disso, bastam alguns minutos para perceber que o game extra ainda utiliza toda a engine do primeiro título, e não do segundo.
Img_normal
É claro que não queríamos acreditar nisso, já que desde antes do lançamento havia sido comentado que o jogo teria esse suporte. Portanto, fomos conferir no manual e vimos a triste realidade: somente o modo Prehistoric aceita o Move até o presente momento. Se você for teimoso e tentar ligá-lo, tudo o que vai ver na tela é que um novo jogador quer acompanhá-lo, mas sem poder de fazer qualquer seleção. Propaganda enganosa?
O triste disso tudo é que existem vários locais em que o acessório seria muito bem-vindo. Na criação de fases, por exemplo, você poderia usá-lo como um pincel para dar vida aos seus desafios, enquanto o modo história possui vários momentos em que um sensor de movimento seria bem útil.
Os mesmos erros
Ao mesmo tempo em que a Media Molecule se esforçou para melhorar vários aspectos em LittleBigPlanet 2, vários outros pontos deixaram de receber o mesmo tratamento e faz com que vejamos velhos erros do original nesta sequência. Exemplo disso é a curta duração do modo história.
Por mais que o grande foco de LBP sempre tenha sido a criação, não podemos negar o apelo que a campanha tem, afinal ela é a responsável por atrair os jogadores e fazer com que tenhamos vontade de criar nossos próprios mundos. No entanto, é preciso lembrar que nem todo mundo tem essa vertente imaginativa ou paciência para criar seus próprios níveis.
Sendo assim, os 30 níveis oferecidos – além de alguns desafios extras que são desbloqueados – acabam deixando a desejar para quem procura um longo período de diversão. Ainda que tenhamos uma infinidade na comunidade online, nem todos conseguem ser tão bons ou desafiadores quanto os estágios oficiais.
Outra falha são os longos tutoriais. Como já comentamos antes, são 52 guias para que você tenha domínio completo de todos os recursos de criação ofertados. O problema é que é preciso ter muita vontade de fazer sua própria fase para ver todos. Por mais que saibamos de sua importância, é incrivelmente maçante conferir tudo aquilo. Nem mesmo as piadas e os comentários engraçados do narrador servem como motivação.
Vale a pena?Se você enlouqueceu com as possibilidades do jogo anterior, saiba que LittleBigPlanet 2 é ainda mais empolgante e divertido nesse aspecto. Ele simplesmente expande toda a experiência de seu antecessor e cria novas possibilidades que antes eram impossíveis. Com um pouco de empenho e muita criatividade, podemos ver resultados realmente fantásticos.
A pluralidade de gêneros, em conjunto com as máquinas e os Sackbots, consegue inovar aquilo que já era inovador. A Media Molecule conseguiu provar que é possível criar games dentro de outro, com direito a ângulos inovadores de câmera, animações e toda a personalização que um título de peso merece.
No entanto, é impossível não perceber a falta de impacto que LittleBigPlanet 2 causa. Não que isso signifique que ele seja um jogo ruim, mas não consegue causar o mesmo efeito que seu antecessor. Apesar de ser fantástico, não é revolucionário e não surpreende. Tudo está dentro daquilo que imaginamos e já esperamos.
É claro que isso não tira o mérito do game em momento algum. Ao contrário do que aconteceu com Super Scribblenauts, as novidades não se parecem com uma atualização ou um DLC. Apesar de a mecânica básica continuar a mesma, são muitas inovações e melhorias. Em outras palavras, se você quer ser um game designer, comece por aqui.
Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s